Google

Serviços Farmacêuticos

por

Serviços Farmacêuticos e os impostos pagos em duplicidade.

Neste vídeo eu faço um estudo de caso bem interessante, de um cliente atendido por nossa consultoria. O engraçado é que esse tipo de caso acontece com uma frequência que você nem imagina.

Assista ao vídeo e deixe os seus comentários logo abaixo.

Vamos conversar!

Cadri Awad é Diretor de Cursos do Instituto Bulla, Farmacêutico com Habilitação em Farmácia Industrial, MBA em Gestão Avançada de Varejo Farmacêutico e cursando MBA Executivo em Liderança e Gestão Empresarial. Viajando por todo o Brasil, Cadri já qualificou mais de 5000 empresários de Pequenas e Médias Drogarias para a aplicação da metodologia avançada de Gestão Farma.

17 Comments to Serviços Farmacêuticos

Gostou? Deixe seu comentário aqui.

    • Orlando,
      Sim. Para não pagar impostos indevidamente o primeiro passo é contar um cadastro de produtos impecável. Os medicamentos são classificados em três listas de comercialização: Lista Positiva, Negativa e Neutra. O critério para definir um produto na respectiva lista é o NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul). É preciso todo mês emitir relatório do que se vendeu em cada lista de comercialização para que a contabilidade faça o procedimento de segregação ao emitir a guia de imposto. A farmácia deve observar este mesmo procedimento no caso do ICMS (válido para estados com substituição tributária). É preciso observar o correto preenchimento dos DANFES e seus respectivos campos que possuem layout padrão. É muito importante exigir dos fornecedores transparência nas informações como Preço fábrica, desconto obtido sobre o preço fábrica e valor de ICMS ST cobrado em cada produto. É muito importante também observar se você está enquadrado no melhor regime tributário e também se o recolhimento dos impostos se dá conforme o regime de caixa ou vendas. Enfim, é preciso observar os processos e fazer uma boa contabilidade.

    • Willian, é preciso investir em ferramentas de gerenciamento financeiro e controlar cada centavo do dinheiro que entra e sai da farmácia. É preciso se basear num método e buscar ferramentas apropriadas para controlar o fluxo de dinheiro na farmácia e fazer a conciliação bancária, preferencialmente, com um aplicativo que permita integração bancária. Desta forma você acompanha seus saldos, agendamento de contas a pagar e receber, faz a projeção de fluxo de caixa e controla sua dotação orçamentária de compras. Abraços e sucesso!

    • Márcia, se você está enquadrada no Simples Nacional é preciso olhar para a Tabela do Simples Nacional e verificar em qual faixa de faturamento você se encontra. Normalmente, uma farmácia não pode ter seus impostos totais (Guia DAS + ICMS ST) representando mais do que 10% da sua venda. Se ao somar os impostos incidentes na sua Guia DAS com o ICMS que foi cobrado por substituição tributária o valor representar mais do que 10% da sua venda, então é preciso avaliar o que está acontecendo. Em Goiás não existe Substituição Tributária, portanto, dependendo da faixa de tributação seus impostos totais não devem representar mais do que 6 a 8% da sua venda dependendo da faixa de faturamento em que se encontra.

  1. Cadri, os serviços farmacêuticos são , sem dúvida, o futuro das drogarias e é claro, com uma boa administração, sucesso certo. Mas tudo precisa de muito preparo, estou me especializando em farmácia clínica mas já cobro pelos serviços. Já a gestão do negócio requer mais pessoal e consultoria como a sua, pois o farmacêutico não consegue dar conta de tudo. Abraço.

  2. Certamente trata se de um diferencial essencial neste mercado competitivo onde preço baixo é uma realidade necessária para quem quer se manter no negócio,no entanto o que fazer quando empreenderes não entendem esta necessidade de definir um
    pro labore realista,entendendo que as margens nunca estiveram tão baixas e o juros estão tão altos?
    Fui seu aluno Cadri,mas é decepcionante ver um negocio próspero como este que estou participando lidando com prejuízos ao invés de lucros,tomara que todos os empresários entendam com seu recado a necessidade de controle e administração realista,com cortes profundos se necessário,é preciso entender que a farmácia deixou de ter uma margem espetáculo e passou a ser um teatro,onde todos artistas precisam entender processos e entenderem realmente quanto podem gastar.

    Um abraço,

    Fábio Alves

    • Fábio, praticamente quase todos os segmentos do varejo convivem com baixas margens de lucro. É assim com o segmento de supermercados, móveis e eletrodomésticos e diversos outros ramos. A grande diferença que separa a farmácia de 20 anos atrás com a de hoje é exatamente o direito que atualmente o gestor deste negócio não tem de errar. Antigamente, as margens eram tão grandes que mesmo na ausência de uma gestão profissional, a farmácia dava lucro. Hoje, continuamos a ter um negócio interessante, mas certamente a gestão dos custos passa a ser determinante no sucesso. A imensa maioria dos estabelecimentos tem seu modelo de negócio sustentado no produto e no varejo este modelo é de fato focado em alta competitividade, percepção de bons preços e com margens cada vez mais reduzidas. Investir em gestão de alta performance é vital para sustentabilidade deste negócio.

  3. Salomão Kahwage

    Excelentes dicas e vídeo. Parabéns Cadri. Precisamos investir em profissionais qualificados na administração de suas farmácias. Este é o caminho para o sucesso!

    • Obrigado Salomão! Sua opinião muitos nos honra. Você tem toda razão. O mercado não é condescendente com o amadorismo e cada vez mais precisamos de profissionais com visão macro do mercado. Grande abraço!

  4. cadri o drogao super aqui de ribeirao preto essa semana colocou uma mesa entre os balcoes onde o cliente vai se sentar e o farmaceutico vai atende-lo desta forma minha e quando e como vao ser cobrados esses serviços eu cobro 5,00 para realizar teste de diabetis e esse mercado a tendencia e expandir a ponto das redes faturar muito com isso?

    • Fábio, agregar serviços seja como forma de diversificar as fontes de receita de um negócio ou como oportunidade de gerar valor aos produtos que vendemos serão sempre uma tendência em qualquer mercado. É evidente que a guerra de descontos que se consolidou em nosso varejo já da mostras de estresse e todos buscarão uma forma de minimizar as consequências ligadas a perda de rentabilidade causada pelos altos descontos praticados em nosso mercado. As redes estão de olho nesse mercado, estão de olho no que já é praticado na Europa e Estados Unidos e certamente os serviços haverão de ser tendência, mas somente se forem tratados sob o prisma da sustentabilidade da farmácia enquanto empresa visando sempre garantir os resultados esperados em termos de produtividade.

  5. Eduardo Joseph Sayegh

    Olá! Vi o seu vídeo mas apenas entendi o que vc apresentou! Não vi a relação entre a prestação de serviço farmacêutico e duplicidade de imposto!

    • Eduardo,
      O objetivo é mostrar que de nada adianta você se empenhar em prestar um bom serviço ao seu cliente, cobrar por ele e no final das contas pagar impostos indevidamente, perder dinheiro em taxas pagas as operadoras de crédito por falta de controle financeiro na farmácia, não controlar o nível de despesas que sua farmácia pode suportar durante o mês. Enfim, do que adianta ganhar dinheiro cobrando pelos serviços farmacêuticos e perder dinheiro do outro lado pagando impostos a mais e em uma série de fatores que fazem o seu caixa fechar negativo no fim do mês? O Vídeo é um alerta para aqueles que negligenciam a gestão e se esquecem que a farmácia além de ser um estabelecimento de saúde, é também um negócio.